Comentário semanal

O mês de outubro, encerrado na última sexta-feira, foi muito ruim para os mercados. O Ibovespa fechou o período com queda de -24,8%, a 37.256 pontos. Porém, é importante destacar que se compararmos ao nível mais baixo alcançado em 27 de outubro, onde o índice da bolsa paulista fechou o dia a 29.435 pontos, tivemos uma alta de +27%. O mês também não foi bom para as ações americanas: o índice Dow Jones caiu -14,1% no período, e o S&P 500 caiu -16,8%, sua pior performance mensal desde o crash de outubro de 1987.

Talvez seja prematuro dizer que o panorama de investimentos já está voltando à normalidade. As notícias ainda mostram muita tensão nos mercados financeiros, um cenário econômico delicado, e algumas mudanças substanciais na maneira como os governos do mundo procuram conduzir a gestão de suas economias.

Hoje, segunda-feira, tivemos a publicação de algumas estatísticas bastante sombrias nos Estados Unidos. A primeira delas foi o índice ISM, um indicador de atividade na indústria manufatureira, que apontou para uma forte queda de atividade no mês de outubro. Além disso, as empresas consultadas indicaram também queda nos pedidos de clientes no exterior, o que significa que as exportações americanas devem perder velocidade.

Confirmando a tendência de recessão, as montadoras de automóveis divulgaram as suas vendas de veículos para o mesmo período: quedas de -45% e -30% para General Motors e Ford, respectivamente. Segundo as empresas, o principal responsável por esse desempenho é a extrema escassez de crédito.

Os sistemas financeiros seguem operando de maneira bem diferente daquela que era a habitual antes do período mais agudo da crise, marcado pela quebra da Lehman Brothers. A diferença pode ser constatada no balanço do Fed, o banco central americano. No final do mês de outubro esse balanço chegou a US$ 1,9 trilhão, um trilhão a mais do que no início do ano. Esse valor inclui centenas de bilhões de dólares em programas de apoio aos bancos comerciais, programas de aquisição de “commercial paper” e linhas de swap de moedas com bancos centrais estrangeiros, entre outros ativos. Até com o Banco Central do Brasil o Fed criou uma linha de swap.

Essa proliferação de programas e linhas tem sido essencial para impedir um travamento dos mercados financeiros. A aquisição de ações dos bancos americanos pelo governo também tem sido um instrumento importante. Segundo o Wall Street Journal, os funcionários do Tesouro esperam que 1.800 instituições peçam para participar do programa nas próximas semanas. A percepção dos banqueiros americanos, segundo o WSJ, é o contrário daquilo que entenderíamos como normal: eles parecem temer que a não participação no programa crie o estigma de bancos quebrados.

Aqui no Brasil já sentimos uma grande mudança em nosso sistema financeiro com o anúncio da fusão do Itaú e Unibanco, segundo e quarto colocados no ranking das instituições financeiras privadas brasileiras, criando o maior conglomerado financeiro do hemisfério sul. Essa consolidação foi boa para a saúde do sistema financeiro nacional e muito boa para as instituições: as ações tanto do Itaú quanto do Unibanco fecharam com fortes altas.

Em um sentido, no entanto, acreditamos que estamos voltando à normalidade. O risco de implosão do sistema financeiro global parece ter sido afastado, e os mercados voltam a funcionar como mecanismos de descoberta de preços. Em outras palavras, o momento é adequado para procurar oportunidades de investimentos. Não sabemos ainda quais serão a extensão e a profundidade da recessão nos Estados Unidos, nem qual será o seu impacto aqui no Brasil, mas os mercados hoje estão a preços bastante deprimidos.

Veja aqui o acompanhamento de fundos distribuídos pela Benchmark.

Outubro foi um mês muito difícil, de estresse e liquidação de posições. Contudo com a normalidade voltando aos mercados de crédito devemos ver uma recuperação das cotações no futuro próximo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: